WF diz que não tem medo de Mendes e prevê eleição em 2 turnos

Redação Mídia News - 12/06/2018 14h52 - Atualizado em 12/06/2018 14h52

O pré-candidato ao Governo, senador Wellington Fagundes (PR), disse não temer a possibilidade de enfrentar o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (DEM), nas eleições deste ano.

Líderes do Democratas anunciaram na noite de segunda-feira (11) que irão buscar viabilizar o nome de Mendes ao Governo. O ex-prefeito apareceu em primeiro lugar na primeira rodada de pesquisas realizada pelo instituto Voice Pesquisas, em Mato Grosso.

"Quem tem medo não se estabelece. Eu tenho minha história. Não tenho essa preocupação enquanto candidato. Não tenho que me preocupar com adversário, tenho que me preocupar com a consolidação do nosso grupo. Uma aliança forte, que tenha representatividade, que gere confiança na população", disse.

O senador disse, ainda, ter almoçado com Mauro Mendes ainda na tarde de segunda, antes da reunião do DEM que definiu o projeto eleitoral do ex-prefeito.

"Nós nos reunimos ontem. Conversamos muito. Antes da definição, por volta do meio-dia às duas horas da tarde. Ele disse que gostaria de ser candidato, mas que teria que construir ainda as condições estruturais de campanha. Eu acho que é salutar a disputa. Não tem problema nenhum", disse.

Para Fagundes, a entrada de Mendes no processo levará o pleito ao segundo turno, algo inédito na disputa ao Governo do Estado. Além deles, também deve ser candidato o governador Pedro Taques (PSDB).

"Se ele for candidato, é bom porque aumenta a disputa. Tenho certeza que tendo esses três candidatos, deve ser uma eleição de dois turnos. Então, acho que o campo está certo para disputa", afirmou.

Sem recuo

Fagundes disse não haver razões para recuar do pleito. Segundo ele, em seu grupo já há siglas suficientes para garantir a disputa.

Na semana passada, ele já havia dito à reportagem que não recuaria de sua pré-candidatura.

"Nós temos diversos partidos aliados, que são MDB, PR, PTB, PP, PSD e PCdoB. Nesta semana, estamos conversando com o PV. Então, entendemos que com esse núcleo já temos partidos suficientes para disputar uma eleição. Em termos de representação partidária, representação nos municípios, temos a densidade necessária para compor uma chapa", completou.