Professor paga fiança de R$ 12 mil, é liberado e nega assédio - Mutum Notícias de Mato Grosso

Professor paga fiança de R$ 12 mil, é liberado e nega assédio

Redação Mídia News - 20/03/2018 08h01 - Atualizado em 20/03/2018 08h01

O professor E.C.G, de 38 anos, preso acusado de assediar sexualmente de seu aluno, de 16, em Campos de Júlio (533 km de Cuiabá), pagou a fiança arbitrada pela Justiça, no valor de R$ 12 mil, e deve deixar a cadeia ainda nesta segunda-feira (19).

A informação é do advogado Rafael Evangelista, que, em entrevista ao MidiaNews, disse que seu cliente nega ter cometido o crime.

"Ele é inocente. Não é ele nas fotos que foram divulgadas, inclusive nenhuma delas mostra o rosto dele. Então não há nada que possa ser vinculado a ele, tanto as fotos quanto as mensagens", disse.

De acordo com Evangelista, o professor está aguardando somente o alvará de soltura para voltar para casa e irá retomar as suas atividades como docente normalmente.

A Secretaria de Educação do Estado (Seduc) emitiu uma nota a respeito da denúncia e informou que será instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para apurar o caso.

"Se comprovadas as denúncias, o professor responderá conforme estabelece a Lei, podendo ser penalizado com a demissão e proibição de exercer qualquer cargo público por um período de cinco anos", diz trecho da nota.

O suspeito também é presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), subsede Campos de Júlio.

Também por meio de nota, o sindicato declarou que repudia qualquer prática que fuja dos princípios pedagógicos, e contra a qualquer tipo de assédio e abuso sexual, independente do cargo ocupado dentro da escola e/ou no Sintep/MT.

"Este caso é isolado e não deve ser tomado como parâmetro para o comportamento dos profissionais da Educação Pública em Mato Grosso. Reafirmamos a nossa defesa de uma educação de qualidade, com respeito aos direitos da criança e do adolescente, conforme assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente", diz o Sintep.

O caso

Conforme a Polícia Civil, foi a mãe do adolescente quem denunciou o caso, após encontrar no celular do filho fotos pornográficas supostamente enviadas pelo professor, além de mensagens em que ele o convidaria para manter relações sexuais.

O professor foi preso em flagrante, porém teve a fiança arbitrada. Na casa do suspeito foram apreendidos um notebook, pen drives e celulares, que serão analisados durante a investigação. E.C.G. dá aulas em uma escola estadual de Campos de Júlio.

A Polícia Civil continua investigando o caso para saber se há outras possíveis vítimas de assédio.