Mais de 700 casas foram inundadas após tempestade em Campo Novo do Parecis

Redação Olhar Direto - 12/02/2017 09h12 - Atualizado em 12/02/2017 09h12

Chuva que alagou a cidade durou quase 48 horas. (Foto: Divulgação) Chuva que alagou a cidade durou quase 48 horas. (Foto: Divulgação)

Um forte temporal que caiu esse final de semana em Campo Novo do Parecis (distante 390 km de Cuiabá), deixou cerca de 700 casas alagadas e pelo menos 1500 pessoas desabrigadas. A maioria das famílias residem Bairro Jardim das Palmeiras que segundo a Prefeitura é o maior da cidade.

A situação em Campo Novo do Parecis, pode ficar ainda pior se a previsão do tempo para os próximos dias na cidade se confirmar. Segundo o Centro de Previsão de Estudos Climáticos (CPTEC) a probabilidade de chuva na região é de 90% para os dois próximos dias.

Apesar dos riscos, algumas famílias ainda resistem em deixar suas casas, por conta disso é que a força-tarefa (equipe de emergência) que está atuando ainda não conseguiu estipular o número exato de pessoas que foram atingidas. As doações aos desabrigados podem ser feitos na Igreja Lutherana, no centro da cidade, e no ginásio da Escola Municipal do Jardim das Palmeiras.

É justamente na unidade que estão a maioria dos desabrigados. Imagens áreas a que a reportagem do Olhar Direto teve acesso mostram a água barrenta tomando uma grande extensão da cidade. O Jardim das Palmeiras é conhecido pelos moradores como "piscinão" por se tratar de um local por onde a água é escoada.

Os alagamentos são comuns no bairro. Nos últimos dias, a chuva já havia inundado as ruas, mas com a continuidade da precipitação a água avançou para as casas dos moradores. Apesar dos trabalhos emergenciais, a equipe da Defesa Civil do estado ainda não chegou no município.

O governador Pedro Taques (PSDB) e o secretário Wilson Santos devem sobrevoar a região para encontrar soluções para o problema nos próximos dias, segundo informações da Secretaria de Estado de Cidades (Secid). A pasta informou ainda que em dois dias choveu 300 milímetros na região, fazendo rios e córregos que cortam a cidade subirem em 70 centímetros.