Juízes devem se manifestar sobre 20 mandados de prisão contra ex-bicheiro que tenta liberdade

G1 MT - 09/01/2018 14h28 - Atualizado em 09/01/2018 14h28

Ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro está preso há 15 anos (Foto: Reprodução/TVCA) Ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro está preso há 15 anos (Foto: Reprodução/TVCA)

Juízes devem se manifestar sobre 20 mandados de prisão em aberto contra o ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, que está preso há 15 anos e tenta a liberdade. A determinação consta numa decisão do juiz Geraldo Fidelis Neto, do Núcleo de Execuções Penais, em resposta ao pedido de progressão de regime feito pela defesa do ex-bicheiro.

Ao todo, são dois mandados em aberto expedidos pela 5ª Vara da Justiça Federal e 18 pela 7ª Vara Criminal da Justiça de Mato Grosso. Todas as ordens de prisão foram expedidas em 2016.

Segundo a decisão da Justiça, os juízes titulares das respectivas varas devem ser consultados para "que comuniquem da validade ou suspensão das prisões ou ainda, eventual baixa no sistema nacional". O pedido foi feito com máxima urgência.

A partir das respostas, o Ministério Público Estadual (MPE) também deve se manifestar sobre o pedido de progressão de pena do ex-bicheiro.

Em novembro, Arcanjo foi submetido a um exame criminológico com a presença de psiquiatra. A determinação também foi feita após o pedido de progressão do regime prisional dele.

Arcanjo está preso na Penitenciária Central do Estado (PCE) desde setembro deste ano após ser transferido de uma penitenciária de segurança máxima no Rio Grande do Norte.

O ex-bicheiro foi preso no Uruguai, em 2003, e ingressou no sistema penitenciário federal em outubro de 2007, quando foi encaminhado para a Penitenciária Federal de Campo Grande (MS).

Somadas, as penas de Arcanjo chegam a 82 anos e seis meses de prisão, por crimes que vão de crimes de assassinatos a lavagem de dinheiro e contrabando.