Filho confessa ter assassinado os pais em sítio da família após discussão em MT, diz polícia

G1 MT - 07/03/2018 00h46 - Atualizado em 07/03/2018 00h46

Investigador aposentado Noraide Manoel de Moraes, de 64 anos, e a mulher dele, Elza Manoel, de 63 anos, foram assassinados (Foto: Facebook/ Reprodução) Investigador aposentado Noraide Manoel de Moraes, de 64 anos, e a mulher dele, Elza Manoel, de 63 anos, foram assassinados (Foto: Facebook/ Reprodução)

reso em flagrante por suspeita de matar os pais em um sítio da família, em Glória D'Oeste, a 304 km de Cuiabá, o suspeito Adriano Alves Manoel, de 33 anos, confessou à Polícia Civil ter cometido o crime, durante interrogatório na tarde desta terça-feira (6).

O policial aposentado Noraide Manoel de Moraes, de 64 anos, e a mulher dele, Elza Alves Manoel, de 63 anos, foram assassinados a facadas na segunda-feira (5). Segundo informações preliminares da perícia, Noraide teve o corpo perfurado pelo menos 12 vezes. Já a mulher dele foi esfaqueada três vezes.

De acordo com o delegado Gutemberg de Lucena, que investiga o caso, o filho do casal, que já foi internado várias vezes por uso de drogas, afirmou que ingeriu bebida alcoólica após tomar remédios e que matou os pais durante uma discussão.

"Ele já tem um histórico de problemas com drogas e os pais eram os únicos que acreditavam na recuperação dele. Ele disse que o pai foi até o sítio da família e, quando chegou e viu ele alterado, eles começaram a discutir. Segundo ele, Noraide o agrediu com um soco no nariz e, por isso, ele pegou uma faca e desferu os golpes no pai", contou o delegado.

A mãe do suspeito teria se aproximado para intervir, momento em que também foi esfaqueada por Adriano, segundo a polícia. Depois, o suspeito - que já tem passagens pela Polícia Civil por tráfico e uso de entorpecentes - teria alterado a cena do crime.

Conforme o delegado, ele removeu os corpos dos pais de lugar, transportando-os em uma caminhonete até uma unidade de saúde, onde foi encontrado pela polícia e preso em flagrante.

"Ele contou que retirou os corpos e os levou, agindo como se estivesse arrependido pelo o que havia feito, mas não mostrou arrependimento [durante o interrogatório]", disse.

Familiares das vítimas relataram histórico de agressividade do suspeito, especialmente quando misturava medicação controlada e entorpecentes, de acordo com a polícia.

"Por todas as circunstâncias apuradas até o momento, está evidente a autoria do crime. Tudo indica que o suspeito tenha inclusive escondido as armas (de posse legal) do pai para dificultar uma provável reação da vítima", afirmou o delegado.

Adriano Alves foi preso em flagrante por duplo homicidio qualificado e o delegado já representou à Justiça para que a medida seja convertida em prisão preventida. O suspeito está preso na Cadeia Pública de Porto Esperidião, a 358 km da capital, e deve passar por audiência de custódia na quarta-feira (7).

Noraide Manoel era investigador aposentado da Polícia Civil, tendo atuado por décadas em região de fronteira, em municípios como Glória D'Oeste, Porto Esperidião e Cáceres. O corpo de da mulher dele, Elza Manoel, devem ser velados e enterrados em Mirassol D'Oeste, a 329 km de Cuiabá, após serem liberados pela perícia.