Síndrome de down "apenas um cromossomo a mais de amor"

20/03/2014 18h26 - Atualizado em 20/03/2014 18h26

Síndrome de down "apenas um cromossomo a mais de amor"

Dia 21 de março é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down

Por: Luciana Lima - Mutum Notícias
 
 
Edinaldo (Diretor Mutum Noticias) e Dirléia Lopes são pais do Abner, 06 anos. (Foto: Stúdio Mafra) Edinaldo (Diretor Mutum Noticias) e Dirléia Lopes são pais do Abner, 06 anos. (Foto: Stúdio Mafra)

Uma pessoa com o ‘cromossomo 21 extra’ pode fazer muitas coisas: abraçar; dizer ‘eu te amo’; ir à escola como todas as crianças; escrever uma mensagem quando estiver viajando – porque sim, eles podem viajar; poderá também trabalhar, ganhar seu dinheiro e até morar sozinho no próprio apartamento.

Nesta sexta-feira (21) é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down.Incluir não é uma das palavras mais simples de ser praticada, principalmente quando nos deparamos com alguma criança portadora de deficiência, seja ela qual for.

Hoje não se pode precisar até onde uma pessoa com Síndrome de Down pode chegar com sua autonomia, mas acredita-se que seu potencial é muito maior do que se considerava há alguns anos atrás.

Incluir significa oportunizar e habilitar essas crianças a realizarem todas as suas potencialidades, minimizando as inferioridades resultantes de suas dificuldades. Em maio do ano passado, a jovem Amanda Amaral Lopes, então com 24 anos, destacou-se como a primeira pessoa com Síndrome de Down (SD) na Bahia a concluir um curso de nível superior. O fato de ela ter se tornado bióloga, sem dúvida, quebrou paradigmas, ao mostrar que uma pessoa com SD é como outra qualquer, com seus sonhos, desafios e conquistas.

O filme - Colegas - é uma comédia que mostra três jovens amigos com Síndrome de Down, apaixonados por cinema, que resolvem fugir do instituto no qual viviam em busca de seus sonhos: Stalone quer ver o mar, Marcio quer voar e Aninha deseja casar. Eles partem do interior de São Paulo para Buenos Aires e envolvem-se em diversas situações inusitadas.

SÍDROME DE DOWN apenas um cromossomo a mais de amor.

DATA

Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) a partir de 2006, o Dia Internacional da Síndrome de Down é celebrado em 21 de março. A data só foi aprovada pela Assembleia Geral da ONU depois de articulação do governo e parlamentares brasileiros.

A comemoração foi proposta pela Associação Internacional da Síndrome de Down, e é uma referência à trissomia no cromossomo 21, alteração genética que gera um cromossomo extra no DNA do indivíduo. Isso ocorre devido a uma separação incomum dos cromossomos 21 herdados dos pais.

SÍNDROME

A denominação da síndrome vem do sobrenome do médico inglês John Langdon Down que, em 1866, fez as primeiras observações detalhadas sobre esse grupo de pessoas na sociedade. O que abriu espaço para estudo e tratamento.

A Síndrome de Down não é uma doença. É uma ocorrência genética natural que acontece por motivos desconhecidos, na gestação, durante a divisão das células do embrião. É uma alteração cromossômica, quando crianças nascem dotadas de três cromossomos (trissomia) 21, e não dois, como o habitual. Esta alteração genética afeta o desenvolvimento do indivíduo, determinando algumas características físicas e cognitivas peculiares.

A Síndrome de Down não é uma deficiência mental severa, e seu portador pode ter um desenvolvimento intelectual considerável em várias áreas do conhecimento. A inclusão social melhora a qualidade de vida dessas pessoas, por isso a importância de crianças com a síndrome poderem frequentar escolas comuns.