Preso há 3 meses, Dr. Bumbum tem liberdade negada pela Justiça

Redação Midia News - 24/10/2018 07h47 - Atualizado em 24/10/2018 07h47

A juíza Viviane Ramos de Faria, da 1ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, negou pedido de liberdade impetrado em favor do médico Denis Furtado, conhecido como "Doutor Bumbum".

A decisão é do dia 5 de outubro, mas foi publicada apenas nessa segunda-feira (22).

O médico esta preso desde o dia 17 de julho pela morte da bancária cuiabana Lílian Calixto em julho.

Ele é acusado de aplicar uma dose de polimetilmetacrilato (PMMA) acima do permitido na bancária, provocando sua morte, durante um procedimento estético em seu apartamento, na Barra da Tijuca.

Para a magistrada, no pedido de revogação da prisão preventiva, a defesa do médico não apresentou justificavas suficientes para a liberdade dele.

"Ressalte-se que a defesa não trouxe aos autos nenhum elemento que alterasse a situação fático processual do acusado, permanecendo íntegros os motivos que ensejaram a sua custódia cautelar", consta na decisão.

"Concluiu ainda que a substituição da prisão por qualquer das medidas cautelares diversas da prisão não atenderia às finalidades da lei. Além do mais, a instrução criminal encontra-se ainda em fase inicial, não tendo sido ouvidas nenhuma das testemunhas sob o crivo do contraditório", diz a decisão.

Prisão

Na ação penal, ainda são denunciadas a mãe de Denis, a médica Maria de Fátima Barros Furtado; a namorada e secretária dele, Renata Fernandes Cirne; e a empregada doméstica Rosilane Pereira da Silva.

O médico e a mãe foram presos quatro dias após serem considerados foragidos da Justiça. Eles foram encontrados pela Polícia Militar em uma sala comercial no Rio de Janeiro.

Em agosto, foram revogadas as prisões temporárias da mãe, da namorada e da assistente do Dr. Bumbum.

Denis Furtado segue preso no Presídio Pedrolino Werling de Oliveira (Bangu 8),no Complexo de Gericinó, no Rio de Janeiro.

O caso

A bancária Lilian morreu após realizar um procedimento estético, com o uso de PMMA, para o aumento dos glúteos.

Lilian agendou o procedimento semanas antes com a namorada de Denis – que também atuava como secretária dele.

No dia 14 de julho, Lilian desembarcou no Rio de Janeiro e foi ao apartamento do médico, na Barra da Tijuca, para realizar o procedimento.

A vítima morreu às 01h12 do dia seguinte, devido a complicação derivada diretamente da intervenção, no Hospital Barra D’Or, no Rio.